Abertura Ó Paí, Ó

aquarelas

terça-feira, setembro 12, 2006

Cadernos de Maria


Essa eu fiz há três anos para um livro de poesias do meu falecido pai, Emanuel, Chamado Cadernos de maria

Mariava eu antigamente,
Tão simples,
Sonho andaluz.

Mariava eu simplesmente
Na luz
Mariluz

Mariava eu amplamente
Alvorada de giz
Num campo abrangente de luz,
Luzmariandava
Luzmariamando

Um comentário:

Mari Conde disse...

quê isso!
lindos desenhos e poesia...

estampas/rascunhos Igbá

aquarelas pro clip da Paula Toller/Donavon